Berlinale 2018 - Dia#06 - 3

The Prayer

THE PRAYER

por Henrique Cury

O segundo e último filme francês na competição não empolgou a platéia de jornalistas. "The Prayer" conta a história de Thomas, um jovem viciado em drogas que é levado a um centro de reabilitação nos Alpes. Fundado pela igreja católica da região, o estabelecimento, bastante rigoroso, porém acolhedor, reúne jovens de diferentes países e realidades sociais.

O filme conta o dia a dia dos internos, desde as duras cenas de desintoxicação quando Thomas chega e sofre de abstinência de heroína, passando pela difícil adaptação e negação até a entrega à religião como apoio para se reerguer. Passando por cenas que lembravam rituais de auto-ajuda o filme possui dois momentos marcantes: a cena em que Thomas finalmente se entrega à musica e canta junto com seus colegas e quando, numa festa de confraternização entre a ala de homens e de mulheres, muitos fazem discursos numa espécie de sessão dos Narcóticos Anônimos.

Nesta última cena fica clara a identificação da droga-adição como um sintoma de um trauma causado na infância na maioria dos dependentes. Abuso sexual, omissão paterna, violência doméstica eram algumas das histórias. E a infância, sempre ela, jardim fértil da instalação do evento traumático que posteriormente se desloca para o inconsciente gerando o sintoma, sendo a droga não só um modo de anestesiar o passado mas também um modo de não esquecê-lo.

Cedric quis tentar estabelecer uma relação entre o prazer das drogas e a redenção na fé e na oração. Na entrevista coletiva após o filme disse que um dos objetivos era mostrar que o êxtase obtido com as drogas pode ser substituído pela devoção e entrega à religião. Não convenceu os jornalistas que receberam o filme com frieza.

Juliana Sabbag