Oscar 2018 | Bola Dentro x Bola Fora

Oscars 2018

BALANÇO DA CERIMÔNIA

Mesmo marcada por um discurso de diversidade, o Oscar não deixou de ter seus pontos negativos e também injustiçados. Se você perdeu, o Cinema na Mesa organizou as bolas dentro e fora numa lista para saber tudo sobre a festa



BOLA DENTRO

  • Daniela Vegas, a primeira transgênero da história a apresentar e levar um Oscar com “Mulher Fantástica”. Isso, sim, é representatividade!

  • O discurso de Frances McDormand, eleita melhor atriz, foi o ponto alto da festa. Ela, que arrebenta em "Três Anúncios Para um Crime", pede que projetos feitos por mulheres sejam incentivados e financiados

  • Prêmio de roteiro original para “Corra!”, que não era exatamente esperado, mas muito merecido. Um dos melhores filmes do ano passado!!

  • Roteiro adaptado para “Me Chame Pelo Seu Nome”, que transforma o livro de André Aciman num roteiro que respeita o tempo da narrativa, dos personagens, como um verão

  • Trilha e direção de arte para “A Forma da Água”. Não é exatamente inventiva, mas as canções entram organicamente no filme, com um ar dos anos 1960, e ficam na cabeça

  • Discurso de Guillermo del Toro, melhor diretor, sobre jovens diretores, que não devem parar de sonhar

  • “Dunkirk”, que merecia os prêmios de mixagem de som e melhor edição. O filme é uma experiência muito visceral, que precisa ser assistida no cinema

  • Lógico que torcemos para Rachel Morrison, mas o Oscar de Roger Deakins (“Blade Runner”) após 14 tentativas era necessário!


BOLA FORA

  • A falta de prêmio para mulheres (como a grande Agnès Varda, precursora da Nouvelle Vague!)

  • Gary Oldman fez por onde ao levar o prêmio de melhor ator, mas eu queria mesmo uma homenagem a Daniel-Day Lewis ou ver o circo pegando fogo com o troféu para o jovem Timothée Chalamet (“Me Chame Pelo seu Nome”)

  • Fizeram absoluta falta “Projeto Flórida” e “Mudbound”, que são os injustiçados da vez. Mereciam estar no Oscar

  • E por falar em injustiçado, senti muito terem esquecido Sofia Coppola com “O Estranho que Amamos”. É uma obra-prima que foi completamente deixada de lado

  • Já sabemos que a Academia não dá atenção para super-herois, mas “Mulher Maravilha” e “Pantera Negra” deveriam estar lá

  • Por último, ninguém me tira da cabeça que “Como Nossos Pais” poderia ter sido indicado e, quem sabe, estar na disputa com temas tão universais como mulher, maternidade, profissão

  • Homenagem aos militares de todo mundo

Juliana Sabbag